Turismo de Base Comunitária
no Cabula e Entorno

Vivemos a pandemia do vírus que causa infecção respiratória, chamada de coronavírus (COVID-19), desde a sua descoberta em 31 de dezembro de 2019, na China, aqui no Brasil teve o primeiro caso registado em março de 2020, e daí por diante, os registros só aumentaram, chegando ao total de 1 .228, 114 infectados, com 55.304 mortos, em 25 de junho (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 202O).

O município de Salvador aparece com 25.279 casos ativos (BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, 2020). Estes Dados são atualizados diariamente, portanto, o que pretendemos com isso é mostrar o aumento da contaminação numa leitura superficial para que cheguemos ao Antigo Quilombo Cabula, também afetado pela pandemia que vai para além das questões sanitárias, mas econômicas, educacionais, atreladas às desigualdades sociais e demais mazelas que nesse contexto, afeta em maior proporção, estas comunidades com realidades  semelhantes em alguns outros territórios do Brasil.

Fomos ao bairro do Beiru/Tancredo Neves, que neste momento aparece com medidas restritivas, de acordo com decreto municipal, pois a comunidade apresentou 382 casos positivos para a doença, em 24 de junho (BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, 2020).

O mundo parou diante dessa doença, uma das áreas que não pode parar é a de saúde, pois todos correm para salvaguardar as vidas de infectados, assim como na busca pela vacina e /ou   antiviral. Uma das principais formas de transmissão do coronavírus costuma acontecer por contato pessoal com secreções contaminadas, onde qualquer pessoa com contato cerca de um metro de alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção (SECRETARIA DE SAÚDE, 2020).

Em 19 de março deste ano, um decreto estadual publicado suspendia por 30 dias as aulas, entretanto, a curva de contaminação aumentou e após 3 meses não sabemos quando retomarão as aulas. Com isto, temos vidas perdidas para o COVID-19 e demais efeitos nas que ficam, mas que o tempo e o “novo normal”, como tem sido interpretado após tudo isso passar, poderão dar conta de transformar e quem sabe melhorar a nossa sociedade. Fato é que estudantes estão com tempo perdido no que se refere ao calendário escolar. São três meses sem aula, com tentativa de ensino remoto, mas que para a escola pública e diferentes perfis e realidades de estudantes, esta possibilidade ainda parece estar distante. O isolamento social, a necessidade de distanciamento, provoca essas ausências que deverão ser repensadas por todos. Enquanto as aulas não são retomadas, pois a melhor e mais sensata opção é ficar em casa, se puder, estudantes como Evelin, Amanda e outros, moradores do Beiru/Tancredo Neves em parceria com a Associação das Mulheres Unidas do Beiru (AMUNIB) organizam lives solidárias com artistas da escola e do bairro com o objetivo de arrecadar alimentos e doar para pessoas do bairro que passam por dificuldades nesse contexto, pois não conseguem acessar os programas de governo, de auxílio emergencial que até hoje não alcança todos os que de fato necessitam.

Vamos juntos colaborar! Fique em casa, se puder! Doe o que tiver, se puder!

Por Katiane Alves.

 

Referências 

A TARDE, 2020. Com 39 novos casos em Salvador, Bahia chega a 460 óbitos por Covid-19. Disponível em:

https://coronavirus.atarde.com.br/com-39-novos-casos-em-salvador-bahia-chega-a-460-obitos-por-covid-19/. Acesso em 25 de junho de 2020.

 

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO, COVID 19, BAHIA,  Nº 93 - 25/06/2020.

Disponível em:

http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/BOLETIM_ELETRONICO_BAHIAN_93___25062020.pdf. Acesso em 25 de junho de 2020.

 

SECRETARIA DE SAÚDE, Governo do Estado da Bahia, 2020. Disponível em:

http://www.saude.ba.gov.br/temasdesaude/coronavirus/. Acesso em 25 de junho de 2020.

 

WORLD HEALTH ORGANIZATION, Coronavirus disease (COVID-19) Situation Report – 156, 2020. Disponível em:

https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200624-covid-19-sitrep-156.pdf?sfvrsn=af42e480_2&ua=1. Acesso em 25 de junho de 2020.