Turismo de Base Comunitária
no Cabula e Entorno

page01
page02
page03
page04
page05
page06
page07
page08
page09
page091
page10
page11
page12
page13
page14
page15
page16
page17
page18
page19
page20
page21
page22
page23
page24
page25
page26
page27
page28
page29
page30
page31
page32
page33

Sobre o projeto

Fundado, em 1850, pelo africano liberto Roberto Barros Reis (Tata Kinunga), que recebeu esse nome por ter sido escravizado pela tradicional família baiana BARROS REIS. Após seu falecimento, em 1909, a casa passou a ser comandada pela Mameto Maria Neném, que instalou o Terreiro em diversos lugares do Quilombo Cabula, primeiro em um lugar chamado Nó de Pau, na Fazenda Grande do Retiro, localizado na zona norte de Salvador. A Fazenda Grande tem esse nome em razão de nesta localidade haver uma grande fazenda, que surgiu paralelo à rodovia BR- 324, acolhendo grande parte da população migrante do interior do estado, bem como moradores de baixa-renda de Salvador. Depois ela se mudou para um lugar chamado Pau Javá, que nos dias atuais é o bairro se Sussuarana. Após, morou na descida do Arenoso, em frente ao terreiro do falecido Manuel Rufino e então adquiriu as terras da Fazenda Beiru, com uma imensa quantidade de mata. Porém, devido ao crescimento urbano e à especulação imobiliária, o Terreiro perdeu grande parte de suas terras, que foram invadidas, e alguns lotes vendidos, somente restando o lote onde se encontra o Terreiro até os dias de hoje.

O Museu Digital é o resultado da Tese de Doutorado que tem como titulo
TERREIRO TUMBENCI: UM PATRIMÔNIO AFROBRASILEIRO EM MUSEU DIGITAL.
AUTORIA : HILDETE SANTOS COSTA, Orientada pela PROFESSORA DOUTORA FRANCISCA DE PAULA SANTOS SILVA e pelo Co-Orientador PROFESSOR DOUTOR ALFREDO EURICO RODRIGUES MATTA.

Clique aqui para acessar o Museu Digital Terreio Tumbenci